domingo, janeiro 07, 2007

Decisão de ano novo

Saiu de casa com a gaiola do pássaro, o cabide almofadado que parecia um busto sem cabeça e que tinha herdado da avó, e a velha mochila do ginásio com os CD da Elis e da Ella. A mala com a roupa ficou, havia de a vir buscar depois se lhe desse para isso. Ou talvez se metesse nos saldos e investisse num guarda-roupa novo. O pássaro também ficou, mas com a janela da cozinha aberta, portanto já se devia ter juntado aos outros que se abrigam nas árvores da Gulbenkian. Também merecia uma vida nova. Tinha sido essa a sua decisão de ano novo, enquanto olhava para o fogo de artifício que vinha da Praça do Comércio: uma vida nova. E o primeiro dia do ano era tão bom como outro qualquer para a começar. Não sabia para onde ia, mas depois se preocuparia com isso.
Passou as obras do Metro no Saldanha, desceu a Fontes Pereira de Melo até ao Marquês e daí até à Baixa e até ao rio. Sempre com a gaiola (aberta) e o cabide nas mãos. A gaiola, onde nunca mais viveria nenhum pássaro, serviria para lhe lembrar o quanto lhe tinha custado a prisão em que vivera nos últimos quinze anos. O cabide era a ligação ao passado e à avó, que viveu numa prisão a vida toda.
Nessa noite o marido chegaria a casa e não teria o jantar na mesa, como de costume. Não se sentariam os dois no sofá da sala a ouvir os interminaveis concursos da televisão. Não iriam para a cama e não desligariam o candeeiro da mesa de cabeceira sem sequer se ouvir um simples boa noite. Nessa noite, não sabia sequer onde dormiria, mas sabia que a sua vida seria diferente.
Sentou-se na estação, de frente para o Tejo e a olhar sem ver os barcos que iam e vinham do Barreiro. Voltou a lembrar-se da caixa que no dia anterior descobrira debaixo do banco da frente do carro. O laço dourado o papel de embrulho da Armani, o cartão onde uma letra de mulher escrevera "para o amor da minha vida, e para que este seja o ano em que finalmente ficaremos juntos", deixando em baixo uma ridícula marca de baton de uns lábios pintados de vermelho vivo.
Verificou cuidadosamente a carteira, com os cartões de crédito gold que o marido lhe oferecera nos últimos anos e comprou um bilhete de barco. A primeira de muitas compras. Como toda a gente sabe, a vingança é um prato que se serve frio.

14 Comments:

Blogger MCM said...

Que use e abuse desses cartões de crédito! E feliz ano novo a essa tua personagem.

8:47 da tarde  
Blogger João Barbosa said...

e o que aconteceu ao passarito?

5:57 da tarde  
Blogger cruelenelcartel said...

muito boa a tua história!
tenho vindo aqui várias vezes e apreciado muito os teus textos.
bj

9:25 da tarde  
Blogger Kiau Liang said...

bem frio......

11:10 da manhã  
Blogger ISA said...

o pá ó T&V és sempre a mm merda, escreves pouco! e bjs de parabens por mais uma boa história.

2:39 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Utiliza o Gold para refazer a sua vida com muito conforto e com o que lhe fizer falta e com o que mais precisa. E essa será a melhor vingança...Beijinho de mim

11:04 da tarde  
Anonymous maray said...

Tem gente que manda ver nos shoppings da vida. Tem gente que manda ver na geladeira, comendo tudo que pode e o que não pode. Mas um amor que acaba não volta. Nem em forma de roupas caras nem em forma de calorias. Amor morto é cadáver sem sepultura. Mas é cadáver.

2:06 da tarde  
Blogger ci said...

Oi t&v, estou quase a fazer isso: sair e deixar tudo para trás! Mas faltam-me os cartões de crédito, rsrsrs. Bjos querida!

11:52 da tarde  
Blogger panamá said...

Mais uma vez, uma história maravilhosa de lúcida! Eu aplaudo a coragem, de dizer chega! A vida é curta demais para nos perdermos em comiserações e auto-flagelações! Temos que nos envolver na vida e não ficar apenas a vê-la passar! Parabéns pela história e obrigada por escreveres tão bem:)

2:32 da tarde  
Anonymous Quincas Borba said...

Qual era o CD da Ella?

7:41 da tarde  
Blogger chantilly said...

esse ano já não é novo

(pois: fria)

4:52 da tarde  
Blogger ci said...

Oi t&v, cadê vc? Saudades, volte a postar, pois estamos órfãos dos seus contos. Bjos.

8:22 da tarde  
Blogger Kwan said...

Desculpa este comentário auto-promocional... mas o Kwan está de volta e tu o mundo precisam saber! :)
Vê lá no http://kwanblog.blogspot.com/

Até breve

7:38 da tarde  
Blogger Peg solo said...

belos textos estes espalhados pelo blog ;)

6:16 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home