sexta-feira, setembro 30, 2005

Barcelona

Já não sei onde o vi pela primeira vez. Não sei se foi a descer as Ramblas, se foi no bairro gótico, ou no passeig de Gràcia, a namorar alguma das casas de Gaudi. Não sei, porque ele e Barcelona são um apenas e deixaram de existir um sem o outro. Nem Gaudi, nem Picasso, nem Miró, de Barcelona trouxe-o só a ele e a este amor que me fez aprender catalão, porque a língua nórdica que ele falava nunca me entrou no ouvido e o catalão era só nosso, dos dois, uma conquista nossa.

Durante dois anos, Barcelona foi o meu mundo e a cidade mais bela do mundo, e nem me custou deixá-la quando foi preciso mudar novamente de país e o sol foi substituído por um dia em que a noite chegava às três da tarde. Não fazia mal, porque estávamos juntos e o sol éramos nós. Não importava a família dele, com quem tínhamos de dividir a casa, não importava o frio, as conversas que não podia ter por não conseguir aprender a língua, os amigos que ficaram em Portugal, o mar que me fazia tanta falta. Nada importava porque nos tínhamos um ao outro, continuávamos a dizer amo-te em catalão e tínhamos a vida toda pela frente.

E um dia, quase sem darmos por isso, tínhamos também um filho. O nosso mundo subitamente dividido por dois, as contas para pagar no fim do mês, as noitadas em claro, as fraldas que era preciso mudar, e Barcelona lá tão longe, Portugal mais longe ainda, e um amor que não aguentou o embate do lado prático das nossas existências.

A língua dele não sabe dizer saudade, mas é nele que penso todos os dias, quando acordo e vejo o Tejo aqui da minha janela. Um dia levo o meu filho a Barcelona e talvez o encontre de novo, nas Ramblas, ou no bairro gótico, ou no passeig de Gràcia, ou no terraço de la Pedrera.

5 Comments:

Anonymous Leonor said...

Realmente somos muito dados a saudades e sabemos exprimir o sentimento como ninguém, talvez T& V com a vivência ele não tenha conseguido dizer mas aprendeu a sentir. Senão resta a verdade absoluta de que a nossa sardinha é bem melhor que o arenque deles. Mais nada!!!!!!!!!
Brilhante como sempre.

10:36 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

O que sempre penso é que é o lado prático da vida que destrói tudo o que é belo e romãntico..mas ainda não sei mas acho que descobri o segredo para que isso não aconteça..mas é preciso querer...querer muito...é viver o lado prático da vida com muito humor e gargalhada...de repente tudo é leve...garanto-vos que é uma aprendizagem daquelas como aprender a fazer Ioga etc...tem que ser filosofia de vida...mas tem dado o seu resultado...beijos
Marina

2:34 da tarde  
Blogger Roberto Iza Valdes said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

6:56 da tarde  
Blogger Roberto Iza Valdes said...

Happy new year!

5:00 da manhã  
Blogger Iza Firewall said...

Este comentário foi removido pelo autor.

10:58 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home