sexta-feira, agosto 12, 2005

Ecografia

Sexta-feira, final do dia, véspera de fim-de-semana. Ela liga-lhe.

- Ainda ficas aí muito tempo?
- Não, não, amor. Estou mesmo de saída. Hoje tenho aquele jantar da entrega dos prémios, lembras-te? Tenho estado a prepar o discurso, a ver se sai uma coisa assim informal, sem muitos salamaleques, se bem que vai lá estar o presidente do clube, aquele que me atribuição a menção honrosa por ter conseguido fazer os 18 buracos, e também tenho estado a pensar que roupa é que hei-de vestir, porque fato e gravata se calhar é demais, não achas?
- Hoje fui ao médico...
- Ah, pois é. Mas estava tudo bem, que eu já sei. Basta olhar para a tua cara maravilhosa de futura mamã. Mas diz-me, achas que leve gravata? E ouve um bocadinho do discurso...
- É rapaz.
- Qual rapaz! o Homem tem uns sessenta anos, pelo menos. Mas convém paparicá-lo, que nunca se sabe. Estou a pensar em referir o seu nome logo aqui no segundo parágrafo, que te parece?
- O teu filho. É um rapaz.
- ... (silêncio)
- Fui fazer a ecografia. Fiquei à tua espera no café lá em baixo durante horas. Até me atrasei para a consulta. E é um rapaz. O médico perguntou-me porque estava sózinha, porque não estava lá o pai do meu filho, a segurar-me na mão, a olhar com medo e alegria para o pequeno ecran onde ele jura que se vê mesmo uma pilinha. Perguntou-me tudo isso com os olhos, porque na verdade nada me disse. A não ser que é um rapaz. Que vai ser lindo. Que nasce daqui a cinco meses.
- Desculpa, amor. Sabes que eu te amo. Desculpa. Prometo que vou para casa mal acabe o jantar. E vamos comemorar, por isso vê lá se não adormeces. Lá para as duas estou em casa, sem falta.
- ... (silêncio)

Fim do telefonema.

ELE, para a secretária:
- Marta, arranja-me, por favor, uma listagem com os melhores colégios internos do País. Sim, agora! Não quero saber que seja sexta-feira e estejas de saída.

ELA, para o espelho:
- Porque é que cada vez me custa mais a lembrar o que me levou a apaixonar por este homem?

32 Comments:

Blogger marsalho said...

Esta falta de sintonia num casal faz-me sempre lembrar aquele anúncio da Prevenção Rodoviária Portuguesa... o do "não pensámos antes, e depois já era".

6:49 da tarde  
Blogger marsalho said...

PS. Não em relação ao vir um filho a caminho. Em relação às pessoas se juntarem às 3 pancadas... sem pensarem um pouco no que querem construir em conjunto.

6:50 da tarde  
Blogger MaDi said...

Assustador.
Quando às vezes nas ruas olho para os carros em que um casal vai, fico sempre impressionada com o ar de infelicidade deles, com o ar de falta de compreensão e interesse mútuo.

6:52 da tarde  
Blogger MaDi said...

Marsalho,
às vezes as pessoas pensam. Só que nenhuma nem outra se mantém igual para o resto da vida. Nenhuma tem a certeza quanto ao futuro.

6:55 da tarde  
Anonymous carlopod said...

pois é, nesta história triste constrange-me tentar perceber como é que esse simpático rapaz, bom trabalhador, respeitador do chefe, um ordenado decente, exímio golfista, de bom trajar, católico e preocupado com a educação do filho foi casar com essa tansa.

9:43 da tarde  
Blogger marsalho said...

Pois bem sei cara amiga... mas quando alcanças um certo patamar, as (reais) prioridades têm que se fazer valer - e essas percebem-se logo desde o início.

10:21 da tarde  
Anonymous joana said...

Este texto faz-me lembrar porque é que continuo sozinha!

2:05 da tarde  
Blogger MaDi said...

joana,
antes sozinha do que mal acompanhada!
Sem dúvida ;)

2:41 da tarde  
Blogger t&v said...

carlopod: suponho que é mesmo porque todos os cretinos têm sorte (lamentamos muito, mas este é uma blog com histórias no feminino onde qualquer semelhança com a realidade nunca é pura coincidência. e feminino aqui está em sentido lato, porque digam lá o que disserem, há coisas que são mesmo de mulher e poucos homens compreendem)

a indiferença que ao fim de algum tempo se instala entre certas pessoas confunde-me um bocado o juizo, é verdade, mas não é lá por isso que se vai tomar o todo pela parte, madi. e, por isso mesmo, também não justifica a solidão de ninguém, joana.

isto hoje está a parecer o correio sentimental da revista maria :)

9:59 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

10:44 da tarde  
Blogger Rita said...

Acho que esse casal foi um que eu encontrei num semáforo e pus num post lá da lista. Naquela altura, ela, já o filho tinha nascido, estava parada num semáforo a montar um estratagema para matar o marido. Ou pelo menos, a rezar para que ele morresse. Assim findava o cabrão daquele amor que não deixava com que ela o abandonasse. Belo tango, que esta de valsa não tem mesmo nada....

1:30 da manhã  
Blogger Rita said...

Errata: não deixava QUE ELA o abandonasse. (às vezes este teclado faz-me parecer o Pinto da Costa a falar...)

1:31 da manhã  
Blogger miak said...

Existem coisas, que apesar de intimamente ligadas às mulheres, os homens nunca poderão esquecer, por fazerem também parte de si.

Se não tiverem essa capacidade...(acompanhados por elas) resta-lhes esperar no trânsito de fim de dia...com o tal ar de infelicidade...

4:58 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

5:54 da manhã  
Anonymous joana said...

Fui há pouco tempo ver o musical Amália, e no final uma das personagens questiona Amália sobre a solidão e porque se casou sem amar o marido, e ela responde: "Mais vale mal acompanhada do que só!"

12:07 da tarde  
Blogger C.A. said...

Correndo o risco de parecer o correio sentimental da Maria, ou pior da Xis, mas sem ter medo disso (tenho literalmente as costas largas!), comento apenas q o grd problema é q hoje as pessoas falam mto, mas conversam pouco. Estejam sozinhas ou acompanhadas!
É q conversar exige q olhemos pra dentro de nós mms em busca do q nos agrada, motiva e move. E essa descoberta nem sp é de fácil aceitação, sbt qd o q nos rodeia está em franca contramão. É mais fácil, pra todos, sós ou acompanhados, ficar pelas meias palavras, pelos silêncios confortáveis, pelos jantares com a TV como música de fundo.
É triste, mesmo. Pra eles e pra elas. Como diz o post da T&V.

1:04 da tarde  
Blogger MaDi said...

joana,
cada um tem o direito de fazer as suas escolhas. Se preferires estar mal acompanhada do que só, há muito por onde escolher :)

3:59 da tarde  
Anonymous reluis said...

Esta cena só não acontece mais vezes, porque, convenhamos, não são muitos os homens neste país que têm 1 emprego como este parece ter, jogam golfe e quejandos. essa é que é essa. Provavelmente, em defesa do casamento, seria melhor é muitas mulheres deixarem de fazer ecografias. assim, não passariam por este vexame!

4:05 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

4:47 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

4:49 da tarde  
Blogger t&v said...

caro reluis: fique sabendo que não é preciso ser telespectador atento da TVI para se saber que o mundo é mesmo feito de lugares comuns. lamentavelmente. só que para cada um de nós, os belos dos lugares comuns são afinal a nossa vidinha do dia-a-dia e é na maioria das vezes é muito mais fácil ficarmos sentadinhos a ver a televisão, como diz a C.A. se não é o seu caso, faça o favor de enviar a receita, que o seu contributo será precioso.

6:50 da tarde  
Anonymous reluis said...

cara valsa, em lugares comuns estamos nós todos. o que é preciso é não desviar os olhos dos incomuns, para manter os horizontes para além das nossas grades.
vai-me dizer que a sua ecografada só descobriu que o marido era assim no dia da ecografia?
e uma curiosidade: será muito elevada a percentagem de martas a atender telefones? é que ultimamente, chamam-se MESMO todas Marta. esquisito.

7:43 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Todas as mulheres sabem com o que contam, mas também todas as mulheres acreditam que ele irá quanto mais não seja pelo seu próprio ego, porque afinal é o filho dele... Mas ele como tantos eles, não foi educado para tal... Para ela só posso dizer.. Já não estás sosinha... lol
Marina

11:07 da manhã  
Blogger Kwan said...

Amanhem-se!

9:30 da tarde  
Anonymous reluis said...

ah, cara valsa, esqueci-me de dar o meu contributo que me pedia. e ele é: Façam-se à Vida e Quem Está Mal Muda-se. Não é fácil? Pois não. Para ninguém. Mas é uma opção: ou se vive de uma maneira ou se vive de outra. Ou se vê as tvis ou se vê outra coisa. Ou se aceita a embalagem com os ingredientes que melhor parecem ou se procura o produto que realmente se deseja.
A mim, parece-me mais difícil viver entre lamúrias e lamentos pela falta da perfeição perfeita do que em luta e busca.
A sério.

1:59 da manhã  
Blogger polegar said...

é triste porque real. tão simples como isso. imagino o desamparo, a ilusão a desfazer-se aos bocadinhos. já estive aí, felizmente sem um filho na barriga. e olho para as gravidinhas e espero sempre ver por perto o pai mimoso e babado. apesar da realidade.
amem-se, foda-se! ou deixem-se em paz!
desculpa a linguagem :S

11:52 da manhã  
Blogger Rita said...

Bom, a questão é que a gaja não sabia da conversa, embora suspeitasse. A questão é que - também eu não lendo a Xis nem a Maria, muito menos as recomendações da Júlia Pinheiro - às vezes o amor, como dizia o outro, é fodido.

11:35 da tarde  
Blogger marsalho said...

Não percebo como é que põem a Xis no mesmo saco da Maria, mas tá bem...

1:57 da manhã  
Blogger Rita said...

Sim, o grafismo da Xis é melhor, deveras, melhor.
E a escrita da Maria é mais empolgante.

O saco é o mesmo: revistas a não ler.

11:37 da tarde  
Anonymous reluis said...

há, pelo menos, uma grande diferença entre a xis e maria, além da geracional e da intelectual, poramordedeus! a maria não é grátis e nunca a vejo! ao menos anda pelo seu galho. já a xis é intrometida e pseudota e enfia-se-me no meio do jornal e quando dou por ela já está em casa! é uma penetra e ainda por cima da linha!

12:21 da manhã  
Blogger Rita said...

Good point, reluis, good point.

10:11 da tarde  
Blogger t&v said...

a Xis é chata que se farta, mas, tal como a maria, tem a sua utilidade social. ou vocês não andam de metro? se bem que ultimamente também tenho visto muita gente a ler o dan brown. e aquele livro da margarida rebelo pinto continua a vender que nem ginjas...

quanto à nossa amiga do post, bem, falar é fácil, como toda a gente sabe, mudar é muito mais difícil e, como dizia o outro e diz a rita, o amor é fodido.

em todo o caso, querido reluis, a malta agradece os seus conselhos. até porque, como sabe, eu tenho boa memória :)

11:41 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home