terça-feira, janeiro 11, 2005

Luisa

A Luisa tem 37 anos. Fez hoje. Meteu folga no trabalho, foi às compras e jantou com os pais. Alguém lhe mandou um ramo de flores, mas não sabe quem foi porque vinham sem cartão. Já passou revista minuciosa à lista de amigos e conhecidos, mas não imagina quem o terá feito. As flores foram o que de mais excitante lhe aconteceu durante o dia. Depois do jantar irá para casa, onde a esperam a televisão, os móveis encomendados em Paços de Ferreira, as cortinas com flores amarelas na janela da cozinha e mais uma noite em que já sabe que lhe custará a adormecer porque lhe falta muita coisa que não sabe dizer o que é mas que lhe provoca um vazio num sitio qualquer que também não sabe dizer onde fica. A Luisa tirou um curso universitário, mas como nunca conseguiu arranjar trabalho na sua área trabalha como telefonista. Durante uns anos enviou curriculos para todas as empresas das Páginas Amarelas. Depois desistiu. Esqueceu-se do curso que lhe levou cinco anos a terminar, tirou da parede a moldura com o diploma e habituou-se a viver com 150 contos por mês na sua casa com cortinas de flores amarelas na cozinha, que fica nos arredores da cidade e que todos os meses lhe leva quase metade do ordenado. No último Verão foi de férias para as Canárias, um pacote completo, com refeições incluídas, num hotel de três estrelas cheio de turistas ingleses com mais de 70 anos. Adorou. Até ficou com o número de telefone de alguns casais simpatiquissimos que a convidaram para lhes fazer uma visita, mas depois nunca lhes ligou porque a Inglaterra fica muito longe. Já está a juntar dinheiro para este ano ir até à Madeira. Ou talvez ao Brasil, que também é longérrimo, mas uma amiga que já foi disse-lhe que é o máximo. A Luisa esqueceu-se de sonhar. A Luisa não se chama Luisa, mas o nome também não interessa.

5 Comments:

Blogger Mikado said...

Este teu post fez-me lembrar as crónicas de Lobo Antunes, talvez esse seja o maior de todos os nossos medos, o levar uma vida cinzenta, despedida de vida, em que o rumo é andar ao som de cada passo.
SusanaT

3:55 da tarde  
Blogger Mascote said...

Uma estória igual a tantas outras neste país... É triste.
Só uma ressalva: uma telefonista a ganhar 150 contos/mês é um caso raro...

10:55 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Maturidade… é a capacidade de nos conformarmos em não sonhar. Gostei do post ;p

Tay

1:46 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Miga, se não acreditasse se vivesse assim perferia dar um tiro na cabeça... No entanto a piquena ainda tá a tempo de rever as páginas amarelas.
Jokas

3:37 da tarde  
Blogger marsalho said...

Ganhar 150 cts como telefonista é obra!! De qualquer forma... "You block your dreams when you allow your fear to grow bigger than your faith."

2:24 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home