segunda-feira, novembro 08, 2004

Todas as histórias de amor são ridículas

Durante anos viram-se todos os dias de manhã. Ou quase todos. Ela subia a rua, em direcção ao escritório, e lá estava ele, à porta da sua loja, sorridente, sempre bem disposto, a desejar-lhe bom dia.

Nos primeiros tempos era mesmo só bom dia. Depois, com o passar do tempo, vieram os "como está?", "tudo bem?", "esse trabalho?" e, por fim, começaram os verdadeiros diálogos. Primeiro sobre o tempo, esse grande tema de conversa, depois sobre o trabalho, de onde vinham, para onde iam.

O grande dia foi quando Portugal jogou com a Inglaterra no Euro 2004. Estavam os dois vestidos a rigor, de camisola com as cores da bandeira, e durante pelo menos cinco minutos discutiram as hipóteses da selecção das Quinas. Na manhã seguinte também houve tema de conversa, naturalmente. E nas que se seguiram. O futebol aproxima as pessoas, não é o que dizem? E ali nem havia hipótese de se zangarem, por um ser do Sporting e outro do Benfica.

Separaram-se durante as férias, porque ele fecha a loja durante Agosto, Mas em Setembro tudo estava como antes, ele à sua espera quando ela subia a rua. Não sabiam o nome um do outro, porque nunca tinham achado importante fazer a pergunta, mas já se demoravam a falar sobre si, sobre as suas vidas, sobre as alegrias e as tristezas. Sempre na rua, em frente à entrada da loja, antes de ela se dirigir para o trabalho. Sentiam a falta um do outro quando não se viam ou quando a chuva impedia as conversas.

Há dois dias ela anunciou que ia mudar de emprego e que na manhã seguinte não se veriam. Falharam as palavras. Nenhum teve coragem de dizer a falta que sentiria do outro. Por isso, simplesmente, abraçaram-se. E, dessa vez, o "bom dia" veio acompanhado de um beijo digno de qualquer filme de Hollywood e da certeza de que, no dia seguinte, estariam juntos novamente.

5 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Ai ai! Que linda história!!! linda! (graaaaaaande suspiro) Toblerone, mais toblerone... alguém quer toblerone branco?
Gracinha

8:58 da manhã  
Blogger papoila said...

ai que lindo! :):):)
eu estou grávida e agora choro por tudo e por nada!
histórias destas não valem, pá!

p.s
de certeza que vão ser felizes para sempre e ter muitos filhos, vale uma aposta?
ai deles se não forem! grumpf! :)

6:24 da tarde  
Blogger Bekx said...

Conclusão: vale sempre a pena mudar de emprego:)
Já agora, que tipo de loja era? Pode ser importante...

8:00 da tarde  
Blogger t&v said...

claro que vão ser felizes para sempre, que isso do amor, como diz o Poeta, é infinito enquanto dura (e tu, gracinha, pára lá de comer chocolate que daqui a pouco não cabes na roupa nova que queres comprar na benetton).

quanto a ti, querido bekx, porque é que o "tipo de loja" pode ser importante? explica lá essa a ver se me esqueci de algum pormenor relevante.

t&v

10:23 da tarde  
Blogger gracinha, a artista do burlesco said...

nhaca! nhaca! mmhm toblebrobne branbco.. albguém querb?

10:46 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home