segunda-feira, novembro 01, 2004

A duas vozes

ELE

Estou muito preocupado com a Ana. Vivemos juntos uns tempos, depois chegámos à conclusão que não dava, separámo-nos pacificamente, e concordámos em ficar amigos como dantes. Achei óptimo. Detesto rupturas. Só que agora ando muito preocupado com ela. É óbvio que ainda não recuperou, que continua apaixonda por mim, e ultimamente anda com umas conversas estranhas, sobre estar a ficar velha, estar sózinha no mundo, e por aí fora. Sei que sou parte do problema, mas não sei o que fazer para a ajudar a sair desta crise. Sinto que se está a isolar, mas ao mesmo tempo tenho medo de me aproximar e de ela pensar que quero voltar à relação que tinhamos antes. Se ao menos ela encontrasse alguém... Resolvia-se o problema. Bom, se calhar a mim custava-me um bocado, que um homem também tem o seu orgulho e estas coisas são difíceis de engolir. Aqui há uns tempos soube que foi jantar com o Francisco, lá do escritório, que se anda a atirar a ela há séculos, e estive quase para ir às trombas ao gajo. Mas ele também não é homem para a Ana, tenho a certeza. E ela deve ter percebido, espero... Seja como for, isso não vem ao caso. Fico com um peso terrível na consciência, de a ver assim tão triste, mas os sentimentos nao se criam artifialmente, e não podemos amar alguém só porque nos apetece, não é? Era tudo tão mais fácil se ela já não estivesse apaixonada por mim...

ELA

Bolas! Não consigo tirar o Francisco da cabeça. Aqui há tempos saímos para jantar e foi uma noite óptima. Já o conheço há anos, mas nunca tinha olhado para o homem desta maneira. Bem, a verdade é que andava demasiado ocupada com o João, com quem vivia. Só que, com o João, as coisas foram ficando cada vez menos interessantes e como ele não se decidia a tomar uma atitude, um dia anunciei-lhe que ía sair de casa. Ficou todo atarantado - acho que ainda hoje não percebeu a merda que fez, quando passou a deixar-me sózinha em casa demasiadas vezes e se esqueceu de ser o homem carinhoso que costumava ser no início. Apesar de ter sido eu a acabar, achei que não tinha mal nenhum em continuar a dar-me com ele. Até porque a coisa, no início, custou-me um bocado. Nestas situações deixamos sempre para trás um pouco de nós próprias, não é? Seja como for, continuámos a dar-nos bem. Tão bem, que durante uns tempos alguns amigos nossos nem se aperceberam que já não viviamos juntos. Só que, apesar de o João continuar a ser um bom amigo, não consigo abrir-me com ele sobre esta coisa do Francisco. O Francisco... Um tipo espectacular, atraente, inteligente, mas escorregadio, vá-se lá saber porquê. Tanto que me faz sentir insegura. Esta expectativa toda deixa-me furiosa. Raio dos homens, que não se decidem! Ontem estive com o João e descarreguei em cima dele. Se calhar não foi muito honesto, mas que se lixe. Na volta achou que eu estava em baixo por continuar mortinha de amores por ele. Como sempre, continua a achar que o seu umbigo é o centro do universo.

8 Comments:

Blogger Gato said...

É o que eu vos digo, gajas! São todos uns Daniéis!
Gracinha

10:07 da tarde  
Blogger Bekx said...

Isto leva-nos à velha história dos sinais. A malta não compreende os sinais!! Somos tótós. O discurso directo poupa muito trabalho e muitas desilusões. Está o gajo preocupado em não magoar a miúda e ao fim e ao cabo ela já anda ou quer meter-se com outro. Por isso comigo quando acaba, acaba mesmo. Não há cá conversas nem ficar amigos.

2:50 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

é que é isso mesmo! E ainda uma gaja tem que andar preocupada com pesos de consciência, por uma questão de honestidade! Acaba-se tudo e não há mais pão para malucos!
Gracinha

3:04 da tarde  
Blogger t&v said...

têm os dois razão:
os homens são de facto (quase todos) uns totós
e
quando acaba acabou e ponto final

porém
aqui o cerne da questão é o facto de os moços olharem demais para o próprio umbigo e de, salvo honrosas excepções, acharem que o mundo gira à sua volta, sem conseguirem ver o outro lado da moeda. e não me venham com a história dos sinais. leiam o código da vinci e mais toda a catrefada de livros que por ai andam sobre o assunto... :)

8:53 da tarde  
Blogger Bekx said...

O mundo não gira à voilta dos homens...Gira só à minha:)

1:32 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

querido Bekx: lá na minha terra diz-se qua quanto mais alto se sobe, maior é a queda (é um pensamento profundo, eu sei:))
t&v

1:59 da manhã  
Blogger Bekx said...

Sim, mas é bom estar cá tão em cima:) Se cair, caio em estilo e em grande!!

8:13 da tarde  
Blogger Mascote said...

Nem imaginas como me são familiares essas versões!

10:22 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home