terça-feira, outubro 26, 2004

Tempos depois do fim

Ela - Andas com alguém?
Ele - Ando com muita gente, mas nao ando com ninguém. Bom, espero que não entendas que ando na cama com muita gente...
Ela - Mas andas na cama com alguém? Não te pergunto isso para depois ficar a deprimir-me, descansa. Já cheguei àquela fase em que tenho perfeita consciência de que nunca seriamos o casal perfeito.
Ele - Eu sei. Digamos que já tive cama nos ultimos tempos, mas com ninguém que mereça ou justifique fazer isso de forma regular. Apenas necessidade fisica e biologica. E tu?
Ela - Eu não. Uns jantares, umas idas ao cinema, mas mais nada. Prefiro não ir para a cama com alguém só por necessidade fisiológica.
Ele - Eu sei. Mas houve momentos em que tive de o fazer, sob pena de explodir... mesmo mentalmente
Ela - Que desculpa tão imbecil...
Ele - Ninguem mexe comigo. É verdade, já fui para a cama com outras desde que terminámos um com o outro. Mas no final, sabe-me a muito pouco.
Ela - Tenho dificuldades em perceber essa capacidade que os homens têm de desvalorizar o sexo.
Ele - Somos culturalmente diferentes. O que aconteceu não teve qualquer significado para mim. Foi impulso. Necessidade fisica e nada mais.
Ela - Como consegues estar com uma mulher, abraçá-la, beijá-la, aceitar uma intimidade tão forte como a que se tem quando dois corpos se unem, e depois dizeres que não teve qualquer significado?
Ele - Foi apenas uma foda. Nunca te apeteceu fazê-lo?
Ela - Sim, já. Mas depois olhei para a pessoa que estava na minha frente e pensei que ele não merecia isso e que eu também merecia mais.
Ele - Os homens são diferentes das mulheres. Ou da maioria das mulheres, pelo menos.
Ela - São?

6 Comments:

Blogger mfc said...

O sentir é diferente, dependendo do lado em que se esteja.
Somos diferentes... por isso é que há atracção.
Ainda bem!

2:44 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Mas olha que eu conheço mulheres que também dão fodas. Porque estão a precisar. Curiosamente, depois os gajos vêm queixar-se que estão a ser usados. Suponho que tenha a ver com uma questão de táctica: não usar muitas vezes o mesmo gajo. É que eles não estão habituados...
E de facto para eles, uma queca é uma queca, sem significado. Por muito que nos pareça estranho...
Gracinha

11:17 da manhã  
Blogger aNa said...

off-topic:
ADORO O TEU BLOG :)

12:36 da tarde  
Blogger Bekx said...

O que interessa é que ambos estejam no mesmo comprimento de onda, seja para casar ou para dar apenas uma foda. Neste aspecto, não distingo gajos e gajas.

12:36 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Sabes os tempos mudaram e uma coisa eu tenho a certeza não é por se ter a coragem de dar uma queca que somos mais livres...a verdade é que eles dão a queca e ficam na mesma e que nós não e ficamos com a vontade de encontarar o verdadeiro amor e damos muito e muito mais que uma queca....Beijinho MB

9:47 da manhã  
Blogger Kwan said...

Dizem que sim, que são. Eu, não tendo provas irrefutaveis do contrário, acredito.

2:43 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home